Peter Onça

Nathália Araújo

Peter Gransden Crawshaw Junior, o farol que iluminou a estrada para os pesquisadores, principalmente com grandes felinos — um importante nome, um brasileiro conhecido pelo trabalho pioneiro de Conservação das onças-pintadas. 

Esse importante pesquisador paulista, criado no Rio Grande do Sul, foi um pioneiro no estudo das onças-pintadas no Brasil e seu exemplo foi um passo importante para a expansão desse estudo no mundo. Um dos maiores defensores desse belo símbolo e espécie-chave da fauna brasileira, deixou um legado que precisa ser continuado por todos nós, também defensores da Conservação da Biodiversidade — e do estudo da mastozoologia. Era um biólogo fascinado pela natureza e pelas onças-pintadas, era referência mundial no estudo com grandes felinos. Atuava como Analista Ambiental no Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação dos Predadores Naturais (órgão ligado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), era coordenador de vários projetos de pesquisa e conservação de carnívoros neotropicais, com ênfase nos grandes felinos.


Peter estudou onças-pintadas e gerou muitas contribuições.

O primeiro estudo com onças-pintadas foi realizado por Peter, em conjunto com os pesquisadores George Schaller e Howard Quigley nas décadas de 1970 no Pantanal. Essas pesquisas foram cruciais estabelecendo uma oportunidade possível, uma luz no fim do túnel, para a pesquisa com as onças-pintadas. Criou o Projeto Carnívoros do Iguaçu e deu suporte e formação para os novos pesquisadores de felinos em todos os biomas brasileiros. Isso foi o que motivou a criação do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Predadores Naturais (Cenap), citado acima, e também do Instituto Pró-Carnívoros. Foi o primeiro a registrar a onça-pintada com o uso de armadilha fotográfica — câmera-trap — e foi quem iniciou o estudo com radiotelemetria para monitoramento.

Conhecedor do comportamento das onças como ninguém, Peter sempre foi visto como uma pessoa alegre, generosa e amiga... Era conhecido como o amigo dos amigos. Contribuía com sua experiência e conhecimento por onde passava, além disso, realizava o monitoramento de fauna em reservas naturais e participava do Programa de Educação Ambiental para o Parque Nacional Iguaçu. Foi e continuará sendo um grande nome na pesquisa, um nome que nos serve de exemplo e motivação para continuar com os estudos e na luta pela Conservação da Biodiversidade, não só dos mamíferos, mas de todos os grupos de animais e da natureza — dos recursos naturais e das florestas.

A Panthera onca e nós, somos agradecidos pela generosa contribuição.

Comentários