Natu Cerrado




Cerrado: sinônimo de esperança, resiliência e força.

Que bioma é esse, que por ser central, possui muitas conexões ecológicas, é fonte de muita energia, diversidade e recursos, mas que vem passando por processos de destruição? Em setembro o Cerrado entra em pauta por ter no calendário um dia dedicado à própria existência. Atualmente mais conhecido graças às pesquisas e pesquisadores que têm muita dedicação. Contudo, os indicadores apontam que menos da metade ainda existe. Precisamos conservar o que restou.

Existem algumas formas de definir o Cerrado. Uma delas é um conjunto de ecossistemas encontrados na região central do Brasil, principalmente nos estados de Goiás e em partes importantes do estado do Tocantins, Bahia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, dentre outros. Assim, ele é encontrado nas regiões norte, nordeste e sudeste. Essa dimensão faz do bioma uma grande região biológica do país, atualmente ocupa por volta de 22% do território nacional e pela localização, o bioma que conecta a maioria dos outros biomas da nação. Bioma é o nome dado a ecossistemas que têm características próprias, como clima, espécies de animais e tipo de vegetação, em determinado período de tempo.






Nesse bioma, o clima predominante é tropical sazonal caracterizado por um clima quente com períodos chuvosos e outros de seca, no qual por meses não há chuvas. A vegetação é, em sua maior parte, semelhante à de savana, com árvores baixas, esparsas, troncos retorcidos, folhas grossas e raízes longas; gramíneas e arbustos, mas pode apresentar florestas de grande biodiversidade e com muita água.
 


A vegetação do Cerrado possui 11 fisionomias (formas) principais e são compostas por: Formações savânicas (Cerrado sentido restrito, Parque de Cerrado, Palmeiral e Vereda); florestais (Mata de galeria, Mata Ciliar, Mata Seca e Cerradão); e campestres (Campo sujo, Campo Limpo e Campo Rupestre). Vale ressaltar que a profundidade e a fertilidade do solo, bem como, os fatores edáficos podem influenciar nas formas fisionômicas. Com os subtipos dessas formações formam-se 25 fitofisionomias.

Nas formações florestais há um predomínio de espécies arbóreas que formam dossel. A Mata Ciliar é caracterizada por estar associada a curso d'água de médio e grande porte, com isso, as copas das árvores não se encontram, pois, às margens variam de acordo com o tamanho do leito do rio. Já a Mata de Galeria acompanha córregos e rios menores. Na Mata Seca e no Cerradão não há associação com cursos de água. O Cerradão também é conhecido por suas peculiaridades xeromórficas, ou seja, é resistente à seca. Com isso, possui as mesmas espécies ocorrentes no Cerrado Sentido Restrito, caracterizando uma mata rala. A Mata de Galeria dispõe de dois subtipos: Inundável e não-Inundável e a Mata Seca possui três subtipos: Semidecídua, Decídua e Sempre-Verde. Nos três subtipos de Mata Seca, há quedas de folhas, o que contribui para o aumento de matéria orgânica acumulada no solo.


As formações savânicas compreendem principalmente quatro tipos de fitofisionomias. O Parque de Cerrado, o Palmeiral, o Cerrado sentido restrito e a Vereda. O Palmeiral ocorre tanto em solo bem drenado como mal drenado (brejosos), caracteriza-se pela presença de palmeira arbórea e árvores. Essa fitofisionomia possui quatro subtipos, dentre eles o Buritizal com presença de buriti (Mauritia flexuosa). O que difere da Vereda que ocorre geralmente em campos úmidos e há o predomínio de uma única espécie de palmeira, o buriti e espécies arbustivo-herbáceas. No Cerrado sentido restrito há o predomínio de espécies do estrato arbóreo e arbustivo-herbáceo. São pequenas árvores tortuosas e retorcidas, em geral, com evidência de passagem de fogo. Não há formação de dossel contínuo, as árvores são distribuídas de forma aleatória no campo. Conforme a estrutura das espécies do estrato arbóreo-arbustivo ainda é possível dividi-lo em quatro subtipos: Cerrado Denso, Cerrado Típico, Cerrado Ralo e Cerrado Rupestre. Desses quatros subtipos, o Cerrado Denso é o que predomina com espécies arbóreas e pode chegar a 70% de cobertura vegetal. Nas fisionomias Cerrado Típico, Ralo e Rupestre a vegetação predominante é arbóreo-arbustivo e a cobertura arbórea pode variar até 50%, 20% e 20% respectivamente. No Parque de Cerrado as árvores ficam concentradas em espaços específicos, em áreas com uma delicada elevação do terreno. Algumas espécies se apresentam sutilmente e outras em destaque, para estas, damos o nome de murundus.


Nas formações campestres temos três tipos de fitofisionomias: o Campo Sujo, Campo Limpo e Campo Rupestre. Como o próprio nome diz, no Campo Sujo há um predomínio de arbustos e subarbustos preenchidos de espécies do estrato herbáceo. O que difere do Campo Limpo onde essas espécies são escassas. Já no Campo Rupestre há uma pequena mistura da vegetação do Campo Limpo e Campo Sujo e a presença de rochas. Pelas características do solo e terreno plano, o Campo Sujo e o Campo Limpo podem apresentar três subtipos cada. São eles: Campo Sujo Seco onde o lençol freático é profundo, Campo Sujo Úmido tendo o lençol freático alto e Campo Sujo com Murundus ocorrendo micro relevos. Para essas fisionomias há presença marcante de espécies da família Poaceae (gramíneas).



O Cerrado tem na sua fauna uma grande quantidade de animais, identificados em mais de 2500 espécies diferentes já descritas. São alguns animais encontrados nessas regiões: lobos-guará, onças, porco-espinho, macacos, lontras, antas, gambás, gatos-do-mato, tamanduás, papagaios, veados, quatis, capivaras, carcarás, seriemas, tucanos, araras, urutaus, curicacas, gralhas-do-cerrado, inúmeras espécies de pássaros, serpentes como as cascavéis, jibóias e jararacas, tatus como o tatu-canastra, peba e galinha, muitas borboletas e incontáveis e ainda muito desconhecidas espécies de insetos. Algumas espécies da fauna do Cerrado correm risco de extinção, a exemplo do tamanduá-bandeira.


É considerado um hotspot mundial – área que abriga grande diversidade biológica e espécies endêmicas, ou seja, que não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Estima-se que possua cerca de 12 mil espécies de plantas, 150 mil vírus, 250 espécies de mamíferos, 260 de répteis, 220 espécies de anfíbios, 1200 de peixes, 40 mil espécies de fungos e 860 de aves. Aproximadamente 40% das espécies de vegetação lenhosa, e cerca de 50% das abelhas são espécies endêmicas. Sobre os insetos, falam-se cerca de 90 mil espécies, representando 47% da diversidade de insetos do Brasil e cerca de 28% da biota do Cerrado. Por isso, o Cerrado e os ecossistemas que o compõem possuem uma rica fauna e flora, sendo o habitat de muitas espécies de animais. Infelizmente, cerca de 260 animais ocorrentes no Cerrado encontram-se ameaçados de extinção. Este é também um dos motivos deste bioma ser um dos mais afetados pelo tráfico de animais. Já para a flora, o número de espécies ameaçadas pode chegar a 630 aproximadamente. 










A despeito de apresentar uma rica grande biodiversidade esse bioma vem sofrendo muito com o desmatamento, principalmente ocasionados pela agricultura. Hoje, o bioma conserva menos 20% de sua área total, passando por um grande processo de descaracterização, ou seja, ocupado por grandes pastagens de gado e extensas plantações de soja, algodão, cana, eucalipto. Além disso, grande parte do Cerrado já foi destruída pelo desenfreado processo de urbanização. O desmatamento e a caça ilegal, o contrabando de espécies e as queimadas, ameaçam o habitat de muitas espécies, levando, dessa maneira, a sua extinção.

A área do Cerrado é banhada por três bacias hidrográficas: Bacia de São Francisco, Bacia de Tocantins e Bacia da Prata. A Bacia de São Francisco: atravessa as regiões sudeste, centro-oeste e nordeste, a Bacia de Tocantins: localizada na região centro-norte e a Bacia da Prata fica localizada na região sul da América do Sul.

Também estão presentes no território do Cerrado nascentes de muitos rios que banham outras oito bacias hidrográficas que fazem o fornecimento de água para várias regiões do país. Por esse motivo, o Cerrado brasileiro é conhecido como "caixa d'água do Brasil". São alguns rios que têm nascentes no Cerrado: Xingu, Paraguai, Tocantins, Jequitinhonha, São Francisco e Araguaia, o que reforça as ligações com outros biomas.

Somado à Caatinga, temos dois biomas ainda sem reconhecimento como patrimônios brasileiros pela Constituição do Brasil. Para colaborar num movimento em prol desses biomas, temos uma campanha para sensibilizar mais pessoas sobre as questões relacionadas aos sertões do Brasil, sua flora, sua fauna, sua biodiversidade, sua gente, enfim, a sua natureza. 



Você pode ajudar no abaixo assinado para a PEC 504/10 que prevê o reconhecimento desse bioma, juntamente com a Caatinga, como Patrimônios Nacionais, clicando aqui.

Dia Nacional da Cerrado
Comemorado no dia 11 de setembro, esse dia foi instituído no ano de 2003 no intuito de valorizar a importância do bioma de forma anual. Em conta das ameaças que enfrenta, como os incêndios causados pelas pessoas e no desmatamento que segue crescendo e destruindo o Cerrado, datas como essa são uma oportunidade de incentivar novas ações para a natureza.






O que ler sobre Cerrado
Cerratinga é um espaço para divulgar informações sobre frutos, produtos, receitas, histórias e um pouco da cultura dos povos e comunidades tradicionais do Cerrado e da Caatinga. Visite a página do Cerrado. http://www.cerratinga.org.br/cerrado

O Instituto Sociedade, População e Natureza é uma organização da sociedade civil que atua em diferentes frentes, unindo pessoas, conhecimentos e em valorização às atividades democráticas e o desenvolvimento sustentável. Dentre os biomas está o Cerrado. Visite a página Cerrado Vivo http://cerradovivo.ispn.org.br

O Museu do Cerrado - O EcoMuseu do Cerrado Laís Aderne é uma nova abordagem da museologia, é um desafio conceitual voltado para a tríade território, patrimônio e comunidade. É um museu vivo de pessoas que mostram a sua cara, a sua cultura e a natureza onde estão inseridas, que é o Cerrado.

Onde ver o Cerrado
A Vida no Cerrado trata de assuntos sobre o bioma, em formato livre, didático e colaborativo.  Movimento em defesa da savana mais biodiversa do planeta e dos seus patrimônios naturais e históricos. https://twitter.com/avidanocerrado 

Plataforma de Conhecimento do Cerrado oferece uma estrutura computacional apta para disseminar o conhecimento acumulado sobre o bioma Cerrado, com informações confiáveis sobre uso do solo, biodiversidade e socioeconomia, na forma de mapas, gráficos e textos, além de ferramentas online para subsidiar políticas públicas e programas de conservação neste rico e ameaçado ecossistema. Acesse: https://cepf.lapig.iesa.ufg.br/ 

Vida no Cerrado retrata a vida silvestre no Cerrado mineiro, com momentos curiosos e muito interessantes, de espécies ameaçadas no bioma. Siga: https://www.instagram.com/vidanocerrado 

Frutos Atrativos do Cerrado, Chave Interativa é uma ferramenta que ajudará na identificação de espécies da flora do Cerrado. São duas chaves, a primeira possibilita a identificação de frutos e a segunda de famílias de plantas do Cerrado. Possui linguagem acessível, é indicada para leigos e até botânicos. Confira: http://www.frutosatrativosdocerrado.bio.br/chave-interativa

Você gostaria de sugerir outras páginas dedicadas ao bioma? Se sim, você pode deixar nos comentários.     

Natu Cerrado • 11/09/2021 • Bioma Cerrado, Brasil • Redação • Direção: Rodrigo Jose; Edição: Izabella Ferreira; Nathália Araújo; Fotografias: Bárbara Fonseca, Vinícius Coelho.
A presente Edição Especial é associada à Natu do Instituto Jurumi.

Comentários