A Água e o Fórum


Brasília sediou o 8º Fórum Mundial da Água, entre os dias 18 e 23 de Março, um evento marcado por decisões e acordos envolvendo as principais lideranças de 172 países. Ao todo, quatro declarações foram assinadas durante o evento até o dia 22, o Dia da Água. O Fórum, maior do mundo sobre a tema Água, organizou mais de 300 mesas de debate, ao longo de cinco dias, com a participação de dezenas de milhares de pessoas.

Entre os acordos assinados, há um compromisso trinacional entre Bolívia, Brasil e Paraguai, a Declaração de Interesse para o Pantanal que tem por objetivo favorecer cooperação para a conservação do bioma. A região é considerada uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta.

Na segunda-feira dia 19, o Brasil criou dois mosaicos de unidades de conservação (UCs) marinhas. As áreas de proteção ambiental (APA) e monumentos naturais (Mona) dos arquipélagos de São Pedro e São Paulo (PE) e de Trindade de Martim Vaz (ES) somam mais de 92 milhões de hectares no mar. Esse avanço ocorre também pelo esforço de diversas organizações com a campanha 'É a Hora do Mar'.

Com a criação das UCs marinhas, o país amplia de 1,5% para 25% a área protegida na zona costeira-marinha, ultrapassando os 17% recomendados pelas Metas de Aichi. As medidas são um conjunto de ações que devem ser assumidas pelos países para deter a perda de biodiversidade planetária.

Mapa mostra as duas reservas marinhas do país criadas nos arquipélagos de Trindade e Martin Vaz e São Pedro e São Paulo (Foto: Estado Brasileiro)

Ministros e chefes de delegações de mais de 100 países assinaram, no dia 20, a Declaração Ministerial do 8º Fórum Mundial da Água. Com o nome de “Chamamento urgente para uma ação decisiva sobre a água” essa Declaração reconhece que as nações precisam tomar medidas para enfrentar os desafios relacionados à água e ao saneamento básico.

No texto, os ministros fazem um apelo para que haja mais empenho político para superar os desafios que envolvem a escassez de água e a alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. O documento atenta também para a necessidade de os governos elaborarem estratégias de adaptação às mudanças climáticas, para dessa forma alcançar um acesso universal e equitativo à água potável segura e acessível.
Cartaz próximo a região de acesso ao evento, no centro da capital federal.

A Carta de Brasília
Juízes participam do 8º Fórum Mundial da Água e aprovaram na quarta-feira dia 21, a Carta de Brasília, documento com 10 diretrizes para o reconhecimento do acesso à água como direito fundamental. Pela primeira vez o Poder Judiciário participa de uma das edições do evento.

O documento elaborado servirá para orientar magistrados de todo o mundo no julgamento de casos relacionados ao acesso à água pela população. Entre outros princípios, a carta reconhece a água como bem de interesse público e trata da função ecológica da propriedade.

Racionamento
Pela primeria vez o evento acontece no hemisfério sul e já é considerado o maior da história.
Acesse o site oficial do 8º Fórum Mundial da Água. Brasília é sede do evento em meio ao primeiro racionamento de sua história. Há poucos meses a barragem do Rio Descoberto, principal reservatório da cidade, estava com menos de 10% de sua capacidade. Atualmente, em plena estação chuvosa, esse reservatório está com mais de 70%. Contudo o racionamento, em forma de rodízio, quando algumas áreas do DF ficam sem água por 24 horas, permanece vigente. nos próximos meses a região entrará na estação seca, quando as primeiras chuvas apenas vão ocorrer a partir de meados de setembro.

Comentários

Mais postagens